O ciclo vital de um relacionamento não correspondido:


Vocês se conhecem. Numa balada, na faculdade, através de amigos. Ele é o primeiro a tomar iniciativa. Consegue seu telefone, te chama no watsapp pra conversar. Você hesita, mas responde. O papo é bom, mas você não bota fé, já viu essa história antes, sabe exatamente como vai terminar. Você desiste. Mas ele tem lábia, insiste. Você começa a acreditar que é especial. Você cede: marcam de sair. Engatam um relacionamento. Ou pelo menos era o que você pensava. O começo é perfeito. Trocam mensagens o dia todo, uma conversa animada que nunca acaba, afinal, há tanta coisa para conhecer, tanta coisa em comum. Ele te faz bem, te faz rir, pergunta como foi seu dia. Faz questão de você, e reforça cada vez mais a sua certeza de que é algo especial, de que você é especial. 

O tempo passa, e você cada vez mais empolgada começa a imaginar quando virá o pedido, a pergunta que muitas esperam: namora comigo? Será em algum dia depois de irem assistir a um filme romântico? Será em algum momento de euforia? Será na frente de todos? Será só entre ele e você? Mil cenas passam na sua cabeça. Mas o dia nunca chega, a hora nunca chega. Você começa a se sentir estranha. A pensar em vários “se”, “E se ele não quiser mais?”, “E se eu inventei tudo na minha cabeça?”, “E se?”, “E se?”, “E se?????”. E aí você percebe que ele está se distanciando cada vez mais. As mensagens que antes eram respondidas em 3 minutos agora demoram 10, 15, 20, horas. E você começa a repensar todo o relacionamento a procura de algo que VOCÊ tenha feito pra justificar a distância. Começa a tentar SE culpar por tudo. Mas não adianta: ele termina. Você congela. Seu mundo sai de órbita por alguns minutos, que duram horas, dias. Você chora, se desespera, por um momento acha que jamais conseguirá sorrir de novo. Se culpa mais uma vez pelo término, pega o celular mil vezes, quer mandar mensagem, desiste. Fica confusa, perdida, buscando entrelinhas para resolver tudo. Manda mensagens, tenta conversar, tenta reverter tudo, corre atrás. Não há o que resolver, acabou. As fotos dele se divertindo no Facebook, os relatos de amigos que vocês tem em comum, não provam o contrário. Aceite, garota. Ele te superou. Muito mais rápido que você imaginou. Enquanto você planejava voltar, ele já tinha planos com outra. Enquanto você sofria, ele se divertia. Você se enerva, se revolta. E começa a perceber que não vale a pena se sentir assim. Em um pequeno momento de lucidez, você começa a lembrar de tudo, mas foca principalmente nas coisas ruins. Nas manias, nas pequenas frustrações que sentia quando estavam juntos. Você começa a enxergar uma pessoa diferente da que você se relacionava, diferente de quem você se apaixonou. Diferente porque antes você só focava nas coisas boas e relevava as ruins. Suas amigas te chamam pra sair, elas te convencem dizendo que você precisa se divertir. E você concorda. Realmente precisa espairecer, por as ideias no lugar. O primeiro sorriso vem naturalmente com a boa companhia. Você nem se lembra qual foi a última vez que se sentiu assim. Você se sente diferente, mais leve, mais tranquila, e percebe que o término não passou de um livramento, porque pra gostar de outra pessoa, você se perdeu de si. 


Quando você está melhor do que nunca, de bem com a vida, vem a primeira mensagem. “Oi, você sumiu, estava pensando em você. Sinto sua falta.”. Você estranha, o coração acelera por um momento. Você hesita, responde: “Oi, sdd Tb!”. O mais breve possível, cortante. Você não cairá nessa de novo.
O relacionamento não correspondido tem um ciclo vital: ele nasce, cresce, um gosta mais que o outro (ou melhor, um é mais corajoso que o outro), fica confuso e morre. E de repente, quando o elo mais fraco da relação cai em si, tenta fazer esse ciclo renascer. Mas pra um ciclo dar certo, tende seguir, tende mudar, tende RENOVAR.

Se você está lendo esse texto e pensa ser o elo fraco de sua relação: repense. Não faça quem está com você sofrer por seu medo de amar. Se acha que é o elo forte: cuidado. Não abra seu coração a dor, diálogo é a melhor coisa pra resolver isso. E NÃO PENSE que você está errado por não ter dado certo: “Ninguém perde por dar amor, perde é quem não sabe receber.”
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivo

Categorias

Voltar ao topo