O fim do ano é para algumas pessoas tempo de comemorações e de confraternizar. Mas, por ser entendido como o encerramento de um ciclo, ele pode ser também um período de cobranças. Isso se deve ao fato de entendermos que é um momento para prestarmos contas do que deu certo e errado em nossa vida e de refletir se estamos sendo sinceros com nós mesmos. A partir daí, começa um grande julgamento – muitas vezes interno – de como a gente se encontra diante da sociedade, do que conquistamos, do que ganhamos ou perdemos. Começamos a entender nossos erros e acertos e o que deveríamos mudar. Uma grande e delicada pergunta surge a mente: eu fui feliz?

A busca da felicidade depende mais de nós do que dos outros. É algo que vem de dentro e que só aflora quando entendemos as nossas próprias motivações e passamos a ter noção de quem a gente é, aceitando nossos defeitos, manias e singularidades. Quando compreendemos isso, passamos a não nos importar com o julgamento de terceiros. Se somos fiéis à nossa essência humana, as pessoas passam a nos tratar melhor e de maneira harmônica. Quanto mais essa troca acontece, mais fácil ela passa a ser e mas simples se torna a conquista da independência e satisfação própria. Deixamos de ser reféns dos rótulos que são colocados em nós com base nas nossas ações e tempo de vida.

2018 foi para muitos um ano difícil. De um modo geral, foi um período conturbado em várias camadas da sociedade, como política e econômica. Inúmeras situações geraram vários conflitos. Mas, quando algo não parece dar certo, temos que pensar no quanto somos merecedores do que deu, afinal, não somos responsáveis por tudo que deu errado, portanto, nem tudo é nossa culpa.

 

O psicólogo e especialista em gestão de pessoas, Frederico Curi explica que é muito comum a gente se apegar ao passado. “É ensinado que a gente tenha vergonha de cometer erros e isso traz uma carga cultural muito grande, pois vira motivo de chacota”. Mas, o profissional explica que errar é normal. “Contando que a gente saiba que existem possibilidades de mudar. A frustração que vem com a culpa é justamente porque não tentamos fazer o melhor e esse sentimento toma um tamanho desproporcional. Mas se entendermos que merecemos o que temos, apesar de às vezes errar e das dificuldades, a gente se sente melhor. O ideal é trocar a culpa por responsabilidade”.

A responsabilidade é ter a noção de que não carregamos o peso do mundo. “Eu faço parte de um processo, mas não arco com o destino do planeta e das pessoas. Isso é a liberdade de cada um, todos precisam fazer sua parte. Isso deve ser visto como um mérito: fiz a minha parte, sou merecedor. Pra que me culpar dos erros se eu me esforcei para eles não acontecerem?”

Além disso, somos condicionados a sempre olhar o lado negativo das coisas, através de competições materiais e de disputa de ego. Nunca achamos que o que temos é satisfatório, o que torna a grama do vizinho sempre mais verde. Muitas vezes colocamos a nossa felicidade em jogo sem nem sabermos o porquê de estarmos tristes. “É uma realidade distorcida, não acreditamos que temos méritos o suficiente. Mas a gente veio ao mundo para viver desafios, senão a vida não teria sentido. Cabe a nós nos conscientizarmos para retirar todos os obstáculos que nós colocamos em nossa felicidade”.

Mas, como fazer do próximo ano um período de vitórias e conquistas? É tempo de renovação, um novo ciclo chega e é hora de fazer uma reflexão. A partir daí decidimos quais comportamentos, iniciativas e práticas teremos em nossa vida diante dessa oportunidade de recomeçar. Além de refletir, é essencial saber deixar certas coisas para trás. A mudança vem da seguinte forma: o que eu preciso tirar e o que preciso colocar? É hora de lembrar de tudo o que aconteceu, assumir os erros, rever algumas ações e a partir daí entender o que nos tirou da curva e o que podemos fazer para que isso não se repita.

A chave, de acordo com Frederico é ser mais positivo. É preciso buscar ver o melhor em cada situação, encontrando motivações que nos faça seguir. “Criar metas, encontrar hobbies e comemorar as pequenas vitórias. Encontrar pessoas que nos apoiem e apoiá-las também. E entender que todo dia pode ser uma pequena renovação também”.

É preciso olhar a vida com mais carinho. “Ser mais empático, sorrir. O simples fato de acordarmos de manhã já deve ser celebrado. Ser positivo é uma habilidade e todos conseguimos. Tudo isso auxilia na busca da felicidade para este novo ano que chega”, conclui.

  1. Priscila dez 27, 2018

    Realmente pensar no passado por medo de errar novamente é uma coisa que faço demaaaaaaaaaais. Inclusive fui analisar minhas metas de 2018 e não cumpri nenhuma, fiquei dias péssima pensando em como poderia ter feito mais se tivesse focado em minhas coisas e pensado de forma positiva.
    Que bom saber que o ano não foi díficil apenas pra mim, me conforma hahahaha

    Vamos focar em 2019 e pensar que ele será incrível e tentar pensar sempre positivo!

    Beeijos

    • natalia dez 29, 2018

      Não escrevi metas para 2018, o ano foi muito confuso. A minha principal meta para 2019 é ser organizada, o resto virá com base nisso, espero hahaha Voce é demais, Pri, beijos

  2. Natália dez 27, 2018

    Nat, que texto hein! Coloca a gente pra refletir, mas de uma forma singela e delicada sem julgamentos. Tô com um post em rascunho no meu blog falando sobre metas para 2019 que tá nessa mesma pegada e fico feliz que mais pessoas estejam pensando dessa forma. Um beijo xará 🙂

    • natalia dez 29, 2018

      Obrigada, Nat, sempre feliz em ajudar. Me senti leve pesquisando sobre e escrevendo o texto, refletir isso me tirou uma culpa enorme. Abraços!

  3. Loriene dez 27, 2018

    Meu 2018 também foi pesado, rsrsrs, e concordo plenamente com você 2018 foi um ano difícil em vários quesitos, mas estou na expectativa de que 2019 vai ser mais tranquilo, não fiz muitas metas para esse ano que está acabando, isso é o que mais me conforta, mas pro ano que vem já tenho varias metas e creio que vou realizar todas, pois como você disse a nossa felicidade depende mais de nós do que os outros.

    Beijos da Lori, um excelente ano para você!

    • natalia dez 29, 2018

      Boa sorte nas suas metas! O importante é a tentativa, bom 2019

  4. Bianca dez 28, 2018

    Esse ano não foi fácil, fiquei muito abalada psicologicamente e quando estou assim acabo fazendo as coisas na emoção e isso não é nenhum pouco bom porque sou muito impulsiva quando tomada pela emoção, ainda mais porque eu sou do tipo que se faço algo errado, mesmo ninguém sabendo eu fico morrendo de medo de fazer novamente e acabo me bloqueando. Isso para tudo, até para conversas do dia-a-dia quando eu falo algo bobo e todos dão risada, então eu fico BIANCA VC NÃO DEVIA TER FALADO ISSO e quando tocam no assunto não falo mais sobre aquilo. Eu tentei muito melhorar em 2018 e consegui, mas ainda tenho muito o que melhorar.
    Espero que o próximo ano seja bem mais leve.

    Adorei o post, está super completo. Arrasou 😀
    Beijos

    • natalia dez 29, 2018

      O importante é a tentativa, refletir e saber que ainda tem coisas que podem ser melhores. Força e paz em 2019. Abraços!

  5. Silvio Luiz Troiano dez 28, 2018

    Natalia. Eu creio que muitas pessoas realmente desejam ¨mudar¨ de um ano para o outro. O que acontece é que muitas pessoas veem isso como mudar o canal da TV no controle remoto. Então temos um problema sério, vivemos num país instável e nem tudo depende de nós mesmo! São leis que mudam, criminalidade que aumenta, desemprego que sobe e desce, em fim… ¨somos um país desorganizado e politicamente indefinido¨ Empresários e políticos decidem o que querem, como querem e quando querem nos deixando a ¨sorte¨! Mas somos BRASILEIROS, o povo que não perde a esperança e é isto que nos faz diferentes. Esse é um dos motivos que não fiz em meu Blog uma ¨despedida¨ de ano. O que eu iria dizer alem das palavras sabias que você disse? Em todo caso…. Um feliz ano novo para você e seus leitores e que 2019 seja de fato brilhante. Abraço

    • natalia dez 29, 2018

      Com certeza. Vivemos em um país onde temos que aprender na marra o que é resistir. Não tem sido fácil ser brasileiro, temos que fazer o máximo para proteger nossa mente e coração mediante a tantas coisas que tem ocorrido em nossa sociedade. Obrigada pelo comentário, um abraço e bom 2019!