24 set

Em 1930, EmilaHermés criou o primeiro modelo de bolsa carteira, conhecida também como bolsa clutch. À época, o objetivo era auxiliar as mulheres a irem às festas e carregarem seus objetos sem estragar ou amassar nada. Um tempo depois, após uma crise financeira, os fabricantes desse modelo de bolsa passaram a utilizar materiais mais baratos como o plástico, que dava um efeito mais rígido e, automaticamente, apontava uma nova proposta da peça.

O cinema era um grande influenciador da moda nesse período. Para grandes eventos ‘hollywoodianos’ os estilistas combinavam as bolsas de festa com o mesmo tecido dos vestidos. Elas eram pequenas e, em sua maioria, eram arrematadas por fechos de metal.

Após esse período, as bolsas seguiram sendo ofertadas pelo tamanho pequeno e em modelos simples. No final da década, elas foram ganhando novos formatos, ficando mais largas e sofisticadas. A partir daí começaram também a ser fabricada em vários tecidos.

Hoje, elas podem ser grandes ou pequenas; redondas, quadradas e até em formatos divertidos; Quando escolhida na medida certa, tem o poder de levantar uma produção. As clutchs não são mais exclusivas para festas e eventos mais formais, há quem use o modelo no dia a dia e até mesmo para ia trabalhar.

A personalstylistRoze Motta considera as bolsas peças funcionais. Ela explica ainda que elas são indispensáveis na vida de uma mulher moderna, independente do formato e função. “São imprescindíveis na hora de compor um look. Se ela grande ou pequena, lisa ou estampada. Saber combinar a bolsa para um evento é essencial para combinações sofisticadas e elegantes que imprimam a personalidade de quem está usando”.

Para escolher o formato ideal é importante procurar por um modelo de clutch que complemente o visual de maneira harmoniosa. A pessoa deve observar bem se o acessório não causa nenhum excesso de informação no look como um todo. “Prestar atenção no biótipo também é importante. Se a pessoa tem um tipo físico mignon(mulheres pequenas, com cerca de 1,52 e que são mais magrinhas), não é indicado que se escolha uma bolsa que chame mais atenção que você”.

Ela fala sobre uma dúvida que, geralmente, as mulheres costumam ter. “Muitas questionam se a bolsa precisa combinar com o sapato. Não necessariamente. A bolsa não precisa ser da mesma cor da roupa, do sapato e nem dos demais acessórios. Contudo, é imprescindível que ela dialogue com o restante do look, pelo menos em termos de estilo”.

Por fim, ela completa dizendo que a bolsa carrega consigo o poder de dar um up em qualquer produção e não é coadjuvante em nenhuma composição. “Por mais básico que o look seja, alguns modelos ajudam a compor um visual mais clássico, como é o caso das mais básicas. Outras, quebram a seriedade de algumas roupas através das cores, formatos menores e detalhes como tachas. Por isso, é importante ter em mente que, atualmente, esse tipo de bolsa vale para todas as ocasiões e que é possível achar modelos bem versáteis no mercado. O importante é saber quais combinam com o dia a dia, com o trabalho e outras ocasiões mais elegantes e sofisticadas”.

Dicas da Nat: Que tal uma bolsa colorida para a temporada primavera/verão? Seja com um tom vibrante como orosa choque, ou em uma estampa como o animal print, a clutch pode ser vista como um acessório para completar o look. Modelos divertidos também são bem-vindos: redondos, formato de carteira e até de coração já são comercializados atualmente. As mais básicas com tom nude, preto ou brancas são sempre bem vindas e fazem parte das peças coringas que devemos ter no nosso guarda-roupa, casando com qualquer ocasião.